As transacções Imobiliárias reduzem e o sentimento também

Dados mais recentes indicam um decréscimo do volume de transacções, pelo menos nas duas maiores cidades portuguesas.

Dados de Outubro do Confidencial Imobiliário indiciam, em termos comparativos com o trimestre precedente, uma redução que se aproxima dos 10% entre novos e usados.


Sendo que esta oscilação pende principalmente para o segmento das unidades novas, demonstram uma alteração relativamente ao período precedente.

De ressalvar que os dados reportam ao período de verão onde, muitas vezes à uma redução do volume de transacções, um facto demonstrativo da existência de sazonalidade que nem sempre é contrariada.


Este sentimento será, aparentemente, contraditório com os valores crescentes de investimento e de licenciamento de novas obras.

A esta realidade pode-se acrescentar o crescimento dos valores médios dos imóveis, particularmente em alguns espaços geográficos. Crescimento de 0,3 de modo geral e de 2,3% para a área de Lisboa de acordo com os dados do SIR - Confidencial Imobiliário.


Será que estaremos a aproximar-nos de um momento de inflexão, ao que as condições políticas não são alheias? Isto mesmo depois da Comissão Europeia ter revisto de forma positiva os dados para o crescimento económico para Portugal.

Ao que se deve acrescentar o decréscimo das taxas de desemprego para níveis abaixo da pré-pandemia, pelo menos pelos dados preliminares apresentados recentemente.


De facto a situação política, com a queda do governo, e principalmente com a inexistência de um Orçamento de Estado (que se deve estender pelo menos por mais meio ano), mesmo com a possibilidade de executar partes do Plano de Recuperação e Resiliência, os sentimentos acabam por ser contraditórios e vão merecer uma atenção redobrada nos próximos meses.

Ao que se pode adicionar a evolução da pandemia, apesar dos elevados níveis de vacinação que Portugal possui, mas que atravessa novamente níveis preocupantes na Europa e um pouco por todo o mundo com a chegada do inverno.


<