COVID-19 "O sector imobiliário em suspenso"

Atualizado: 22 de Mar de 2020




E subitamente... a valorização (aparentemente imparável) do produto imobiliário é posta em causa por um fenómeno imprevisto - um "cisne negro" na terminologia financeira.


Entretanto, dois importantes pilares de suporte do crescimento imobiliário nos últimos 10 anos em Portugal - o investimento estrangeiro e o turismo - ficam comprometidos por prazo indeterminado. E o rendimento das famílias está em grande perigo - novamente (passados 10 anos da última crise). Resta-nos o terceiro pilar do sector: as baixas taxas de juro e a facilidade de acesso ao crédito. Mas até quando?


Os cenários internacionais não são muito favoráveis à economia, havendo muitas vozes a anunciar uma recessão mundial pronunciada, perda acentuada de empregos e complicações de crédito. No entanto, há também cenários mais optimistas, onde se visiona uma rápida recuperação económica a partir de Julho.


A IMOBINTEL, face às últimas notícias sobre os monetários e orçamentais dos vários países para amortecer o impacto do COVID-19 nas suas economias, mantém-se optimista para a atractividade do sector imobiliário, a médio/longo prazo.


No entanto, no curto prazo, os investidores imobiliários deverão estar preparados para uma travagem brusca da procura e adoptar posições defensivas.


O futuro passará certamente pelo reavivar da procura, o que favorecerá investidores com posições de longo prazo em segmentos de mercado mais tradicionais, mas exigirá também estratégias de reposicionamento de activos, especialmente em investimentos com posicionamentos alavancados e especulativos.


Os nossos clientes podem contar com toda a imaginação e conhecimentos da IMOBINTEL para reposicionar os seus investimentos e/ou planear novas estratégias de entrada no mercado.

COVID-19 "Real estate sector on hold"


And suddenly... the (seemingly unstoppable) appreciation of real estate, is called into question by an unforeseen phenomenon - a "black swan", in finantial markets terms.


Two important pillars of real estate growth in the last 10 years in Portugal - foreign investment and tourism - are committed for an indefinite period. Further, household income is in great peril again, about 10 years after the financial crisis.


That leave us with the support of the third pillar: low interest rates and easy access to credit. But until when?<