Soluções Estratégicas no Investimento Imobiliário

Atualizado: Mai 14

O investimento, em qualquer área de negócio, tem desenvolvido no sentido de se transformar numa actividade especializada e fundamentada em análises profissionais e com recurso a dados e informação credível.


Deixou de ser uma actividade baseada em instintos e em "conhecimento" alicerçado na "experiência diária".

Com a necessidades de diversificar as áreas de investimento, nomeadamente com a evolução recente dos mercados financeiros e os impactos de uma pandemia, investir num activo requer um conhecimento que vai para além dos pontos fortes de um determinado activo.

Os juros baixos, e a reduzida rentabilidade de alguns dos mercados (por exemplo financeiros), trouxe para outros sectores, como o imobiliário e empresas/produtos novos, investidores e fundos até a alguns anos arredados destes cenários.


Mas para dar suporte e apoio a estas actividades é necessário recorrer a quem, de forma isenta e não relacionada com o activo, pode desenvolver análises e avaliações que de facto colaborem para a tomada de decisão.





Por isso a Imobintel apresenta-se ao mercado, desde o seu primeiro momento, como uma solução ao nível dos serviços de consultoria estratégica e de marketing para as empresas e investidores, particularmente os que actuam na área imobiliária.


Não estando envolvida nas transacções de propriedades, seja pelo lado da oferta ou da procura, reforçou a sua isenção no leque de serviços que desenvolveu para estes segmentos de mercado.


Mas em muitos casos, os empresários olham com algum desdém para estes serviços, não lhes atribuindo o devido valor ou mais valia. Não o consideram uma vantagem acrescida ou uma ajuda à decisão informada.


Em alguns casos, com o reconhecimento de que os investidores externos, ou de maior dimensão, não dispensam este tipo de análise e avaliação, desenvolvem alguma curiosidade, mas com hesitação na sua utilização ou aplicação.

A maioria releva considerando que, à nossa boa maneira, "se sempre funcionou sem este investimento" (ou custo, como a maioria lhe chamaria), para quê reduzir a sua margem agora e aumentar as despesas.

Se o mercado tem mais procura que oferta, só interessa é ter produto, não é?


Será?