Porto: um hub para Startups!

Todos sabemos que o desenvolvimento económico, o dinamismo e a inovação, contribuem para a dinâmica dos espaços, e para uma evolução no que se refere aos seus públicos.

E a cidade do Porto tem tido uma evolução surpreendente nos últimos anos, recuperando a dinâmica empresarial e industrial.


Um estudo desenvolvido pela IDC para a Startup Portugal coloca o Porto como o hub do empreendedorismo em Portugal.

Uma em cada cinco startups encontra-se no Porto.



Num outro estudo desenvolvido pela Delloite - "Urban Future with a Pourpose"- a cidade é referida como um bom exemplo no estímulo à inovação e à criatividade (a par com outras cidades, capítulo dedicado aos Ecossistemas de inovação digital, é uma das três referenciadas: Porto, Espoo (Finlândia) e Nova Iorque (Estados Unidos)).

Exemplo disso é a criação do "Porto Inovation Hub".


Para além desta perspectiva, também as actividades desenvolvidas no âmbito das 12 tendências apresentadas neste estudo da Delloite, a cidade é considerada como motivo de destaque de acordo com os autores da publicação.


Todo este desenvolvimento, a par com as acções que têm sido desenvolvidas na cidade, como a criação (ainda em desenvolvimento) do pólo cultural no antigo Matadouro do Porto, são marcos que transportam a cidade para um patamar de referência a nível mundial, muito para além do turismo e das caves do conhecido Vinho do Porto.


As áreas que o estudo considera são:

  • Planeamento verde de espaços públicos;

  • Comunidades de Saúde inteligentes;

  • Cidades "15 minutos”;

  • Mobilidade: inteligente, sustentável e "as-a-service”;

  • Planeamento e serviços públicos inclusivos;

  • Ecossistemas de inovação digital;

  • Economia circular e produção local;

  • Edifícios e infraestrutura inteligentes e sustentáveis;

  • Participação em massa;

  • IA aplicada às operações da cidade;

  • Cibersegurança e consciência pela privacidade;

  • IA aplicada à vigilância e policiamento preditivo.

E nestas áreas, o Porto também se encontra no bom caminho e é considerada um exemplo.


"...o Porto também se destaca com um número de startups per capita 20% superior à média europeia."


"Em 2020, graças ao Porto Innovation Hub, o Porto conquistou o prémio Smart City Innovator na conferência Annual Investment Meeting no Dubai, na categoria Future Cities.


Sendo um país que tem vindo a encontrar o seu espaço e reconhecimento no que refere às startups e ambiente empreendedor, e onde o Porto reúne 1/5 destas e o Norte com 43% das "startups" e "scaleups", assim como um honroso 12º lugar a nível europeu, para além de outras menções a este nível, o que falta para um maior investimento a este nível na região e na cidade?

E o nível de vida vai ter a mesma evolução que esta dinâmica empresarial?


E que implicações podem ser retiradas no que se refere a outros investimentos, nomeadamente na área imobiliária?


Como sabemos, o aumento da atractividade de empresas tecnológicas ou outras, requer um aumento da disponibilidade de espaços que se adequem aos estilos de vida e às necessidades destes trabalhadores. Mesmo que muitos trabalhem remotamente, principalmente após a evolução que o trabalho tem estado a ter com a pandemia e as suas variantes, haverá sempre uma aproximação e a criação de uma atractividade para novos "habitantes" e que se propaga com o reconhecimento e a notoriedade que as regiões vão ganhando.


Iremos ter na cidade um crescimento de espaços de co-living e na lógica da partilha, quer em termos de habitação, como de trabalho?

Que os investidores se comecem a distanciar de um modelo unicamente local ou dedicado ao turismo (seja com hotéis ou estruturas similares) e se comecem a vocacionar para espaços adequados a estes trabalhadores.

Uma alteração do modelo de estritamente de venda, para o da gestão de estruturas residenciais, com valores que se adequem aos diferentes públicos e segmentos.


Que de todo o modo, dadas as evoluções das estruturas familiares, em muitos casos se vai adequar à restante população.

E pode ser que seja a forma de reabilitar muitos edifícios, em áreas diferenciadas da cidade, e que se encontram fora das chamadas áreas de contenção, e que poderão representar uma reconversão desses espaços e artérias que se estendem muito para além da parte mais antiga da cidade.


Uma dinâmica que poderá transformar muito para além deste dinamismo tecnológico e de inovação que tem merecido o reconhecimento e que deve ser continuado.



Acha que esta será a possível transformação da cidade e da região?

Deixe a sua ideia ou opinião para que possamos desenvolver diferentes perspectivas e constructos para o sector da habitação e do investimento.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo